Sábado, 20 de Julho de 2024

Tempo limpo

Ponta Grossa, PR

Senado Federal Senado Federal

Recarga de veículos elétricos precisa de normas razoáveis, dizem debatedores

Especialistas que participaram da audiência pública na Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT), nesta quarta-feira (12), lembraram que veículos elét...

12/06/2024 às 19h16
Por: Redação Fonte: Agência Senado
Compartilhe:
Senador Rodrigo Cunha (na mesa, centro) conduziu a audiência - Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado
Senador Rodrigo Cunha (na mesa, centro) conduziu a audiência - Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

Especialistas que participaram da audiência pública na Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT), nesta quarta-feira (12), lembraram que veículos elétricos apresentam baixo risco de incêndio, mas cobraram uma discussão mais ampla que leve a normas razoáveis para a instalação de estações de recarga em edifícios.

Continua após a publicidade
Anúncio

O requerimento ( REQ 9/2024-CCT ) foi do senador Rodrigo Cunha (Podemos-AL), presidente da Frente Parlamentar pela Eletromobilidade, motivado pela grande repercussão de um parecer técnico do Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo (CBPMESP) que foi levado a consulta pública. Segundo o parlamentar, a falta de regras padronizadas para a atividade gera insegurança jurídica e a possibilidade de se adotar regras muito rígidas poderia inibir investimentos nesse tipo de instalação.

O senador Rodrigo abriu a audiência ressaltando a busca pelo diálogo sobre o assunto e opinou que o Brasil não pode ficar à margem da tendência mundial pela mudança da matriz energética, mas lembrou que “nada deve sobrepor-se à segurança”.

Continua após a publicidade

— Unificar e padronizar, acredito, só traz benefício para o desenvolvimento do país e para o bem-estar e a satisfação do consumidor — ressaltou Rodrigo.

O chefe do Departamento de Segurança e Prevenção contra Incêndio do CBPMESP, Max Alexander Schroeder, concordou. Para ele, trata-se de uma alternativa energética interessante para a sociedade e para o meio ambiente. Mas ele observou que incêndios ou outras ocorrências afetariam negativamente o mercado de veículos elétricos.

Continua após a publicidade

— A ideia, de forma alguma, é colocar obstáculo. Pelo contrário, é proteger e preservar para que as coisas deem certo e para que o mercado possa evoluir de forma segura, em consonância com a segurança contra incêndios — ressaltou.

Schroeder repercutiu questionamentos sobre as normas para pontos de recarga em subsolos de edifícios, onde o combate a eventuais incêndios torna-se mais difícil e também lembrou o impacto nas redes sociais de vídeos mostrando carros elétricos em chamas. Ele argumentou que os bombeiros estudaram profundamente o assunto e perceberam as características próprias dos incêndios em veículos elétricos — cujo combate requer “técnicas que ainda estão sendo desenvolvidas” — e disse esperar que as montadoras possam incorporar-se ao debate pelo aprimoramento da segurança.

— Toda tecnologia implica um grau de risco, mas a gente tem que mitigar a um mínimo possível — avaliou.

Incertezas

Membro do Conselho Diretor da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), Clemente Gauer saudou o trabalho dos bombeiros e citou o incêndio de um ônibus elétrico em Salvador, motivado por vandalismo, que foi controlado sem colocar pessoas em risco. Ele mostrou dados sobre as condições favoráveis do Brasil para a mobilidade elétrica, mas ressalvou que toda tecnologia traz “dúvidas, incertezas e medos”.

Segundo Gauer, o índice de incêndios em veículos elétricos nos Estados Unidos — que usam, em geral, tecnologias mais antigas que as de seus congêneres no Brasil — é baixíssimo em comparação com o de veículos a combustão interna. Na Europa, acrescentou, eventuais incêndios na recarga de veículos foram geralmente atribuídos ao uso de tomadas inadequadas.

— Se não fomentarmos o uso de estações de recarga profissionais e fizermos com que as pessoas improvisem tomadas, estaremos fragilizando a segurança de todos — alertou.

O diretor de Assuntos Técnicos da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Henry Joseph Júnior, citou a demanda crescente por veículos elétricos no Brasil e também cobrou a certificação dos pontos de recarga, a ser discutida com o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e outras entidades.

— É um estudo que ainda está em evolução. Nós, fabricantes de veículos automotores, estamos tentando dar todo o apoio a essa discussão — afirmou.

Viabilidade

O vice-presidente da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Alagoas (Ademi-AL), Hugo Dâmaso, lembrou que os compradores de imóveis já apresentam a demanda de pontos de recarga em suas garagens, que deverão ser de uso individual e com cobrança de energia pelo medidor de cada apartamento. Porém, segundo ele, uma aplicação geral das normas técnicas propostas pelo CBPMESP tornaria inviáveis muitos novos empreendimentos. Além disso, acrescentou que a adaptação dos edifícios antigos à demanda por pontos de recarga está sendo feita “de qualquer forma”.

— Sem nenhum tipo de certificação (...), já começaram a acontecer alguns incidentes, não nos veículos, mas nas instalações — informou.

O representante da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Lauro Gomes Ladeia, disse que a entidade criou um grupo de trabalho para discutir “com um olhar abrangente” a segurança das estações de recarga e a consulta pública do CBPMESP. Ele também repercutiu a demanda de incorporadoras e consumidores por meios de recarga de veículos, ressaltando que as propostas não poderão inviabilizar investimentos.

— A parte técnica talvez não seja o que mais nos aflige, mas a questão financeira pode realmente impactar as edificações — advertiu.

Por fim, o diretor da Associação Brasileira dos Proprietários de Veículos Elétricos Inovadores (Abravei), Rodrigo de Almeida, manifestou preocupação com as estações de recarga instaladas fora de normas. Porém, ele condenou a “concepção equivocada” sobre incêndios de carros elétricos em processo de recarga e atribuiu a popularidade dos vídeos a uma estratégia declickbait(conteúdo chamativo destinado a atrair audiência na internet).

— Se você colocar um carro a combustão pegando fogo, não gera audiência — afirmou.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ponta Grossa, PR Atualizado às 06h05 - Fonte: ClimaTempo
Tempo limpo

Mín. Máx. 22°

Dom 20°C 8°C
Seg 21°C 8°C
Ter 22°C 9°C
Qua 24°C 10°C
Qui 25°C 11°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes