sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

Ensino semipresencial tem melhor desempenho dos estudantes

Modalidade que vem se popularizando no Brasil desde 2016 é considerada por especialistas o futuro da educação
O ano era 2012. Anand Agarwal, professor do Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT), decidiu testar uma nova forma de ensino com seus alunos. 

Ofertou uma parte da difícil disciplina de Circuitos e Eletrônica em uma plataforma on-line, complementando com aulas presenciais mais esparsas. Ao final do curso, uma boa surpresa: a taxa de reprovação da disciplina caiu de 41% para 9%.

O episódio faz parte da história de uma grande tendência da educação para 2019: a educação semipresencial.

Também chamada de ensino híbrido ou de blended learning, a educação semipresencial é uma combinação entre as aulas tradicionais e as aulas on-line. Além disso, também “inverte” a sala de aula. Primeiro o aluno explora o conteúdo, depois leva suas dúvidas para o professor – inverso do que acontece no ensino tradicional.

O professor Agarwal, que também é fundador do portal edX, chama esse processo de a “irrevogável socratização da educação”: uma forma de ensinar ao propor questionamentos aos estudantes.

No Brasil, os bons resultados se confirmam. Um estudo do grupo Ânima Educação, divulgado pela Folha de S. Paulo em 2018, revelou que as notas de alunos nos cursos híbridos foram 16% maiores do que as notas dos estudantes matriculados em cursos presenciais.

O ensino semipresencial está se popularizando desde 2016 em solo nacional, desde que a portaria 1.134 do Ministério da Educação facilitou a criação de cursos superiores nessa modalidade. Antes, era preciso ter o curso reconhecido pelo MEC antes de fazer sua transição para o semipresencial – o que pode levar até dois anos. Agora, é possível ofertar até 40% da carga horária à distância desde a primeira turma do curso, contanto que sigam a Portaria nº 1.428/2018.

“O aluno que opta pelo semipresencial normalmente precisa de flexibilidade de horários, pois trabalha e tem compromissos familiares, mas não abre mão da vivência em sala de aula. É alguém que tem autonomia para estudar sozinho, mas aprecia a troca com os outros”, diz Benhur Gaio, reitor do Centro Universitário Internacional Uninter. Na instituição, a modalidade é ofertada desde 2014.

O reitor também reforça que um diploma adquirido por meio do semipresencial tem a mesma autoridade do que o de um curso presencial. “Precisamos quebrar essa falsa crença de que o semi e a Educação a Distância (EAD) têm menos valor. Os certificados são iguais e com mesmo valor”, esclarece.

Vantagens
A maior vantagem apontada por especialistas é que o ensino híbrido adapta os estudantes à nova realidade do mercado de trabalho. Muitas empresas já são adeptas do regime de trabalho home office, por exemplo.

O professor José Armando Valente, no prefácio do livro Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação (Penso Editora, 2015), explica que a maioria dos serviços oferecidos pelo mercado já passaram por uma “hibridização”. Hoje é possível pagar um boleto pelo celular, ato impensável alguns anos atrás.

“O ensino híbrido é a tentativa de implantar na educação o que foi realizado com esses outros serviços e processos de produção”, pontua.

Valente também enumera outras quatro vantagens do semipresencial:
1.       O aluno trabalha em seu próprio ritmo e pode focar em conteúdos que tem mais dificuldade, revendo as vídeo-aulas.
2.      O estudante se torna mais autônomo, pois é incentivado a estudar e se preparar antes da aula presencial.
3.      O tempo de aula pode ser dedicado ao aprofundamento da compreensão acerca do conhecimento, e não à exposição inicial dele.
4.      As atividades em sala promovem uma convivência social mais intensa, pois de fato incentivam trocas entre os colegas.

“Com o tempo, os estudantes de um curso parcialmente ou totalmente à distância desenvolve mais autonomia para aprender e se torna um excelente gestor do próprio tempo. Isso é intrínseco para esses cursos”, concorda Gaio.

Ensino híbrido e os jovens
Para o público mais jovem, um grande benefício do semipresencial é estudar em um formato com o qual já estão acostumados. Os nativos digitais naturalmente aprendem por meio de uma combinação entre pesquisas na internet e interações sociais, então se adaptam facilmente ao ensino híbrido.

No livro A educação que desejamos (Papirus, 2014), José Manuel Moran defende que o ensino híbrido é o modelo mais viável para as instituições de ensino nos próximos anos. “O semipresencial tende a avançar, porque se adapta melhor à nova sociedade aprendente, conectada; porque as crianças e os jovens já têm uma relação com a internet, redes, celulares e multimídia muito mais familiar que os adultos”, coloca.

Sobre o Grupo Uninter
O Grupo UNINTER é o maior centro universitário do país, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) e a única instituição de Ensino à Distância do Brasil recredenciada com nota máxima pelo Ministério da Educação (MEC).  Sediado em Curitiba – PR, já formou mais de 500 mil alunos e, hoje, tem mais de 210 mil alunos ativos nos mais de 200 cursos ofertados entre graduação, pós-graduação, mestrado e extensão, nas modalidades presencial, semipresencial e a distância. Com mais de mil polos de apoio presencial, estrategicamente localizados em todo o território brasileiro, mantém cinco campi no coração de Curitiba. São 2 mil funcionários trabalhando todos os dias para transformar a educação brasileira em realidade. Para saber mais acesse uninter.com.

EU CONCILIO

EU CONCILIO
Eu Concilio - Mediação e Conciliação

Postagem em destaque

Novo Portal da Assembleia Legislativa do Paraná

Assembleia lança novo portal de notícias. Créditos: Orlando Kissner/Alep O novo portal de informações da Assembleia Legislativa do Para...

Postagens mais visitadas da semana

CONTATO

E-mail: jornalpontagrossa.com@gmail.com
Cel.: (42) 9.8874-8154

FALE CONOSCO:

Nome

E-mail *

Mensagem *